Gustavo: “Fear is not a factor.” (3/3)

posted in: anygivenperson | 0
  Read in English        Ler em Português

 

Psssst: This is the follow-up of Gustavo’ stories. Watch the video and read part 2 if you missed it.

 

«To take hundred or two hundred people, ten or fifty people on a plane is almost the same thing. As long as it’s someone strange that doesn’t know us and that is trusting us, the company and the service, the relation is almost the same, I guess. Of course there’s more pressure when there are more heads turned to me. But it’s a pressure that we put on ourselves to perform at our best. Not necessarily the pressure from outside, but the one we put on ourselves to keep up with the demands of our job, to do our best so everyone can arrive home safely.

In terms of statistics, as there are a lot of planes flying all the time, civil aviation is obviously very safe. I feel a lot safer in an airplane than in a car for several reason, for example. Maybe I’m safer jumping out of an airplane than crossing a certain crosswalk on a certain place. At least, there is a lot more than it’s under my watch to keep me safe than when I’m crossing a street or doing something that is in someone else’s hands rather than in mine.

The only fear I’ve ever had was of not flying or not being able to fly. Once that I’m flying, I can be more apprehensive or less apprehensive. But never scared. It’s a matter of managing the risk, of being more or less in a state of alert. Fear is not a factor – it would be a bad sign of that happened.»

 

gustavo-19

 

«The cockpit is the best office in the world. It doesn’t turn upside down but almost. From the sunrise to the sunset, that cloud that has that funny light or color, the moon above the clouds with shinning starts… It’s always a magnificent view. When there’s that miserable weather down here, we know that once we break through the clouds it’s always sunny, no matter what. That is the best part. Each day is different. There’s no doubt that it is not a normal office. The only office thing about it that we have to wear a tie and take care of our uniform, which was not a big of a deal to me, given the fact that I was coming from the Military College. Once I finished the Military College, I missed having an uniform to wear and a tie to put on. I missed being a little more standardized.

I find it funny to interact with people when they’re getting inside or outside the airplane. I make sure to be standing at the cockpit’s door so they know there’s someone in there, who is going to take them. It’s a matter of trust. Even though pilots avoid that and like to be locked up in the cockpit, I prefer to see people and interact with them when I can.»

 

gustavo-7

 

«If I couldn’t fly professionally, I would fly for pleasure. What I really like to do is aerobatics. If I couldn’t fly professionally to create the conditions to fly as a hobbie… Even though I really like my job and sometimes it’s not really work and I’ve pleasure doing it anyway, at the end it’s always a job. But the most important thing is to have the possibility to fly. If it’s not in aerobatics, there are other cheaper ways as gliders. The experience ends up being very pure.

Aerobatic competition is the greatest exponent of a pilot’s performance. There is no other field like that, that has a level of difficulty for the pilot as that one. It doesn’t matter what’s the pilot’s experience, because even on the highest levels it always takes you to look for that perfect flight that will never happen. There is no doubt that it is the hardest field and it forces any pilot to have a better physical, mental and coordination training.

I started my aerobatic training in the United States, flying Super Decathlons. On my first competition flight I turned to a Pitts. In the meanwhile, I’ve been flying an Extra 300 L, in which I’ve competed in Portugal in Plácido Air Cup, in Santarém, our capital of aerobatics. It’s a great machine and it’s had nothing to do with the others that I’ve been flying in. My evolution in aerobatics is connected to my evolution as a professional: basically as I earn more money, I quickly improve in aerobatics. Whenever I save some money, I spend it in aerobatics.»

 

gustavo-10

 

«To make your body to fly, in skydiving, is even a more natural way to express yourself on the air. In that case, there is not a man connected to a machine. It’s just us and our own body. It’s much more pure experience. It’s a different field and I have more and more a dilemma between skydiving and aerobatics. Those are two things that I’m very passionate about. It’s more and more a close-run.

Aerobatics or skydiving require that you’re so focus in that moment that you don’t think about anything else. Your life is at risk, so your brain completely focuses to do the best possible and to keep you alive.

I’m thankful for being a pilot and not only a skydiver. It makes me look at the risk and its management in a much more professional, accurate, precise and rigorous way. It makes me a much safer skydiver. The jumps I’ve done before and after being a pilot were different. It helps me to manage the risk.»

 

gustavo-8

 

«I talk about life and death in a way that’s a little bit different. Many people have a very negative way of looking at death. I see it with tranquility. Maybe because I’ve seen many people around me passing away. I face it more and more with tranquility. It is going to happen. We’re all going to die. That allows me to live the best and most intense way possible. For each person around me that passes away sooner, I live my life a little better. I live it for myself and for those who didn’t have the change to.

My friend Gustavo didn’t have the change to use its capacities. He was one of the people that I’ve met with best intelectual, physical and emotional capacities to be a pilot. But he never had that chance. I had it. Each national championship that I won, each test that I take, the medal is not only for me but for him. He is one of the reasons that I’m so focused on this and don’t let anything compromise these dreams – those are not just mine.

We’ve had an ex student from the Military College climbing the seven highest peaks of the planet with the his shako. While we can’t go to Mars or to the moon, we are taking him to space. To the threshold of space, to be more specific. It will be the highest shako from 1803. It will go on a stratospheric balloon. He will be like the Austrian Félix that jumped off the RedBull Stratos, he is going to be our pilot, our astronaut, that will accomplish the goal. We’re all going to be together as a way to celebrate him, to revive his memory and some moments. And he’s a part of it as we are: I’m fasten him to the platform and it’s like I’m putting a helmet on him.»

 

gustavo-20

 

Even though it tooks us longer than it usually does, we’ve finished Gustavo’ stories. It was an absolute delight to get to know him better and watch the special and private tribute to his friend. From your reactions, you enjoyed it as much as we did – we loved to read all the comments about it and we actually reached our peak of visits on the blog on the day we posted the video!

We’re already working on the next stories, so keep on visiting us here and on social media. Follow anygivenstory on Facebook, Instagram, Vimeo and Youtube. We will be glad to see you there!

 

 

Psssst: Esta é a continuação das histórias da Teresa. Vejam o vídeo e leiam a parte 2, se ainda não o fizeram.

 

«Num avião, levar cem ou duzentas pessoas, levar dez ou cinquenta é quase a mesma coisa. Desde que seja uma pessoa estranha que não nos conhece e que está a depositar a sua confiança em nós, na companhia e no serviço, acho que a relação é quase a mesma. Obviamente que, quanto mais cabeças estiverem viradas para ti a olhar, mais pressão há. Mas é mais a pressão que colocamos em nós próprios para desempenharmos nas nossas melhores capacidades. Não necessariamente a pressão externa, mas a que criamos em nós próprios para estarmos ao nível da função, para fazermos o melhor que podemos para toda a gente estar segura e chegar sã e salva a casa.

Em termos de estatísticas, como há mesmo muitos voos a acontecer a toda a hora, obviamente que a aviação civil é bastante segura. Eu sinto-me muito mais seguro num avião, por certos motivos, do que num carro, por exemplo. Se calhar estou mais seguro a saltar de um avião do que a atravessar certa passadeira naquele certo sítio. Pelo menos, há muito mais que está no meu alcance para me manter seguro do que quando estou a atravessar na estrada ou fazer algo que está nas mãos de alguém que não sou eu.

O único medo que tive foi de não voar ou de não poder voar. Uma vez a voar, pode haver mais receio ou menos receio. Mas nunca medo. É uma questão de gerir o risco. Ou estamos mais alerta ou menos alerta. O medo não entra em fator – seria mau sinal.»

 

gustavo-19

 

«O cockpit é o melhor escritório do mundo. Não vira ao contrário mas quase. Desde o nascer do sol ao pôr do sol, àquela nuvem que está com aquela luz ou cor mais engraçada, a lua cheia por cima das nuvens com as estrelas a brilhar… É sempre uma vista magnífica. Quando está aquele tempo miserável cá em baixo, sabemos que uma vez passando as nuvens está sempre sol, doa a quem doer. É a melhor parte. Cada dia é diferente. Sem dúvida que não é um escritório normal. A única coisa de escritório é ter de pôr a gravata e estar com uniforme cinco estrelas, o que não me fazia muita confusão, principalmente vindo do Colégio Militar. Depois de acabar o Colégio, sentia falta de ter uma farda para vestir e uma gravata para pôr. De estar um bocadinho mais uniformizado nesse aspeto.

Acho imensa piada interagir com as pessoas quando estão a entrar no avião ou a sair. Faço sempre questão de estar à porta do cockpit para saberem que está ali alguém, quem é que as está a levar, por uma questão de confiança. Enquanto alguns pilotos evitam e gostam de estar fechadinhos no cockpit, eu prefiro ver as pessoas e interagir com elas quando posso.»

 

gustavo-7

 

«Se eu não pudesse voar profissionalmente, ia voar por gosto. Aquilo de que eu gosto mais é mesmo de voar em acrobacia. Se não precisasse de voar profissionalmente para criar as condições para voar por lazer… Apesar de gostar bastante do trabalho que faço e de muitas vezes não ser bem trabalho e ter todo o gosto de o fazer à mesma, no fundo é sempre um trabalho. Mas o mais importante é mesmo experienciar a possibilidade de voar. Se não for na acrobacia, há outros meios mais económicos como planadores. A experiência acaba por ser bastante pura.

A acrobacia de competição é o exponente máximo de execução do piloto. Não há nenhum disciplina como esta, que tenha um grau comparável de dificuldade para o piloto. Não interessa a experiência do piloto, porque mesmo nos níveis mais avançados vai sempre exigir a procura do voo perfeito que nunca vai acontecer. É sem dúvida a disciplina mais difícil e a que obriga a uma maior preparação física, mental e de coordenação mecânica de qualquer piloto.

Comecei o meu treino de acrobacia nos Estados Unidos, a voar Super Decathlons. Para o primeiro voo de competição passei para um Pitts. Entretanto tenho estado a voar Extra 300 L, no qual competi em Portugal no Plácido Air Cup, em Santarém, a nossa capital da acrobacia. É uma bela máquina e não tem nada a ver com outras nas quais tenha voado. A minha evolução na acrobacia está ligada à minha evolução profissional: basicamente quanto mais fundos há, mais rapidamente progrido na acrobacia. Portanto, tem sido sempre uma divisão entre focar-me profissionalmente para criar as condições para seguir o sonho da acrobacia. Sempre que vou amealhando, lá vou gastando com a acrobacia.»

 

gustavo-10

 

«Fazer voar o nosso corpo, no paraquedismo, ainda acaba por ser uma maneira mais natural de nos exprimirmos no ar. Nesse caso, não há o homem ligado à máquina. Somos mesmo nós e o nosso corpo. Ainda é uma experiência muito mais pura. É uma disciplina diferente e cada vez mais tenho um pouco o dilema entre o paraquedismo e a acrobacia. São duas coisas pelas quais tenho uma tremenda paixão. Cada vez mais a coisa está renhida.

Uma acrobacia ou um salto de paraquedismo são coisas que exigem um foco tão grande naquele momento que nos abstraímos totalmente de tudo o resto. A nossa vida está em risco, portanto o nosso cérebro foca-se completamente para fazer a coisa o melhor possível e para nos mantermos vivos.

Eu agradeço por ser piloto e não ser apenas paraquedista. Faz-me ver o risco e a gestão do risco de uma maneira muito mais profissional, exata, precisa e rigorosa. Torna-me um paraquedista muito mais seguro. Os saltos que fiz antes de ser piloto e depois de ser piloto foram diferentes. Ajuda-me a gerir o risco.»

 

gustavo-8

 

«Sou uma pessoa um tanto diferente a falar sobre a vida e sobre a morte. Muitas pessoas têm uma visão muito negativa da morte. Eu vejo-a com muita tranquilidade. Talvez pelo facto de já ter tido muitas pessoas à minha volta a falecer. Encaro isso, cada vez mais, com bastante tranquilidade. Vai acontecer. Todos nós vamos morrer. Isso permite-me viver da melhor maneira, o mais intensamente possível. Por cada pessoa, que está à minha volta, que se despede mais cedo, eu vivo um bocadinho melhor a minha vida. Vivo por mim e por aqueles que não tiveram oportunidade.

O meu amigo Gustavo não teve a felicidade de poder necessariamente usar as suas capacidades. Sempre foi uma das pessoas para quem olhei que, em termos intelectuais, físicos e emocionais, tinha as maiores capacidades para ser piloto. Mas ele nunca teve essa opção. E eu tive. Cada campeonato nacional que ganho, cada prova que faço, a medalha não é só para mim mas também para ele. É um dos motivos pelos quais estou tão focado nisto e não deixo nada comprometer estes sonhos – não são só meus.

Já tivemos um antigo aluno do Colégio Militar a subir os sete cumes mais altos do planeta com a barretina. Enquanto não conseguimos ir para Marte ou para a Lua, levamo-lo ao espaço. Ao limiar do espaço, para ser mais específico. Vai ser a barretina mais alta desde 1803. Vai subir num balão estratosférico. Ele será como o austríaco Félix que se lançou do RedBull Stratos, ele vai ser o nosso piloto, o nosso astronauta, que vai cumprir o objetivo. Nós vamos estar todos juntos numa maneira de o celebrarmos, de reviver a memória dele e certos momentos. E ele está a participar da mesma maneira: estou a prendê-lo à plataforma e é como se lhe estivesse a pôr o capacete.»

 

gustavo-20

 

Embora nos tenha tomado mais tempo do que o habitual, terminámos as histórias do Gustavo. Foi um prazer conhece-lo e assistir à homenagem especial e privada que fez ao seu amigo. Pelas vossas reações, gostaram tanto quanto nós – adorámos ler todos os comentários e, na verdade, atingimos o nosso record de visitas no blog no dia em que publicámos o vídeo!

Já estamos a trabalhar nas próximas histórias, por isso continuem a visitar-nos aqui e nas redes sociais. Sigam o anygivenstory no Facebook, Instagram, Vimeo e Youtube. Vamos gostar de vos ver por aí!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.