6 fun (or not) facts about anygivenstory

posted in: General | 2
  Read in English        Ler em Português

 

This anygivenstory has been up for half a year and we decided to show you a little bit more of what goes around in the backstage of this little house. How? By telling you a bunch of stuff about this blog that might surprise or amuse you (although we don’t guarantee that…).

#1. anygivenstory wasn’t our first choice for the blog’s name. What a shock. It will be hard to recover from a revelation like this one that changes, even though might not seem like it. The process of choosing a name for the blog was not easy for us. Possibly there are a lot of bloggers for whom this is an intuitive or obvious step. It wasn’t our case, at all. First, we used the newbies method: to read articles about choosing names for a brand. Those articles give you endless tecniques or strategies that have been used, from choosing words almost randomly to taking a key word and translating it in another language. As faithful people, we tried to follow each one of this tips. We’ve lists and lists of random words (and others that are not so random but somehow relatable to the concept of the blog), of words translated to foreign languages or absurd combinations of words. None of our ideas made any sense, but mostly nothing clicked for us as we wanted – you know the feeling of “oh, that’s it!”. Besides that, we were facing another issue that I believe must be very common these days: any name that would sound vaguely interesting was already being used. We just had to google it and… oops! It already belonged to a sneakers brand on the other side of the world, We didn’t particularly liked that idea, so we kept searching. Then, out of the blue, it happened: on a lunch break, at work (and I swear it was that trivial), I thought about the expression “any given story“. It made sense. It clicked. I googled it. Nothing came up. I sent it to João through chat and I got a: “Closed deal. I love it! Call me.” All of this to tell you that you could easily be reading “Hikayeleri”, instead of the anygivenstory.

#2. The first video wasn’t made for the blog. Having in mind the idea of this project, we had a job offer from an online platform. They wanted us to work with them (which ended up not happening), but we had to create a mockup video. We produced, filmed and edited a much shorter version than the one you know of The stories of A Mercearia – Atelier Criativo. We found ourselves testing some of the ideas we had already discussed for blog. We felt proud about the result and the feedback was fantastic (disclaimer: it included tears and all of that). When they confirmed that our partnership was not going to happen (not because of our video, but because of delays related to building the platform), we’ve realized that, even without noticing it, we’ve created our first anygivenstory together – after all of these words, if you want to watch the video we’re talking about, check it here. It was the kick-start we needed to put this blog on!

 

gustavo-3

 

#3. We never shot the videos in a single day. We’re not talking about the videos of places – those clearly represent several days of shooting. We’re refering to videos about people or ideas. We had the ambition of being able to record and shoot it all in a single day, because it would make the process much easier. But the truth is that we’re never able to do that. We end up taking one day and a half to two days to create each video. On the first day, we record the conversation and we shot some action. On the second day, we shot on other contexts. We do that for two reasons: we want to be able to calmly record the sound having enough time for the conversation to flow naturally (we don’t want just a question-answer format) and we like to have the widest possible variety of images, with different actions and contexts that represent that person or idea. As they say, “more haste less speed”…

#4. We’ve one some trips just to shoot videos. anygivenstory has already visited the region of Leiria once and the city of Évora twice. We were ambitious (I would even say, a little bit sassy) but it was worth every single kilometer! Can you find out which videos drove us to those places? We will give you a hint that is also a fun fact: none of these trips was made to shoot places, but people or ideas. That’s because the places we’ve shared on the blog were, until now, chosen due to specific circunstances. In fact, we were on holidays in that place or region and the video came after that – that’s what happened in Bali, where we spent our honeymoon, and in Alentejo and Vicentine Coast, where we travelled this summer.

#5. Some videos have a special appearance of a member of anygivenstory’s crew. If you think that our crew has two people and one is a filmmaker, it’s not hard to get who likes to make appearances on videos without realizing it… Here goes a challenge: can you find out in which videos do I show up as a not-special guest?

 

Making_of-4

 

#6. We’re visited from all over the world. When writing in english, one of our goals was to allow people from other countries to read us. That is actually happening! Right now, we’re visited mainly by folks from Europe (almost every country is represented). But we also have readers from the american continent, specially from the United States of America and Canada, and others who read us from Asia (a big hug for people from Indonesia!). Once in a while, we’ve some guys peaking from Africa and Oceania, but they’re low profiled. As the Imagine Dragons say (and, yeap, we’re quoting the Imagine Dragons), we’re “on top of the world”!

We saved the best for last. Since today anygivenstory is celebrating, we would like to thank those who make this possible: you. A big fat thank you to everyone who visit the blog, follow it on social media, share, comment and want to know more stories!

 

 

Hoje celebramos meio ano de anygivenstory e, por isso, quisemos mostrar um bocadinho do que se passa nos bastidores desta casa. Como? Contando uma série de coisas sobre este blog que vos podem surpreender ou divertir (embora não garantimos que tenha algum destes efeitos…).

#1. anygivenstory não foi a primeira escolha para o nome do blog. O choque. Dificilmente irão recuperar de uma revelação destas que, parecendo que não, muda tudo… O processo de escolher um nome para o blog não foi muito fácil para nós. Possivelmente existem bloggers para quem esse passo é intuitivo ou óbvio. Não foi, de todo, o nosso caso. Primeiro, usámos o método de quem é verdinho nestas andanças: pusemos-nos a ler artigos sobre como escolher o nome de uma marca. Esses artigos apresentam um sem-número de técnicas ou estratégias já usadas, desde escolher palavras quase aleatoriamente até pegar numa palavra-chave e traduzi-la noutra língua. Nós, crentes, tentámos aplicar cada uma destas receitas. Temos listas e listas de palavras aleatórias (e outras não tão aleatórias e, de alguma forma, relacionadas o conceito do blog), de palavras traduzidas em línguas estrangeiras ou de combinações sem nexo. Nenhum dos nomes fazia muito sentido, mas principalmente nenhum fazia o “clique” que procurávamos – aquela sensação de “epá, é mesmo isto!”. Para além disto, deparávamo-nos ainda com outra questão que penso que deverá ser bastante comum hoje em dia: qualquer nome que nos soasse minimamente interessante já estava a ser usado. Bastava-nos googlar o nome e… eish! Já pertencia a uma qualquer marca de ténis do outro lado do mundo. Não nos agradava particularmente essa ideia, por isso continuavamos a procura. Depois, a coisa deu-se sem grande ciência: numa hora de almoço, no trabalho (juro, foi banal a este ponto), pensei na expressão “any given story“. Fez sentido. Clicou. Googlei. Nada. Enviei ao João no chat e recebi um: “Está fechado. Gosto muito! Liga-me.”. Tudo isto para dizer que vocês podiam perfeitamente estar a ler o “Hikayeleri”, em vez do anygivenstory.

#2. O primeiro vídeo que fizemos não era para o blog. Já com a ideia de fazer nascer este projeto, tivemos uma proposta de uma plataforma online. A ideia era que colaborássemos com eles (o que acabou por não se proporcionar) e ficámos de criar um vídeo que servisse de maquete. Produzimos, filmámos e editámos uma versão bastante mais curta do que aquela que conhecem d’A Mercearia – Atelier Criativo. Demos por nós a testar algumas das ideias que tínhamos já discutido para o formato anygivenstory, ficámos orgulhosos do resultado e o feedback foi fantástico (disclaimer: incluiu lágrimas e tudo). Quando tivemos a confirmação de que a colaboração ficaria por ali (não pelo vídeo, mas por atrasos na criação da plataforma), achámos que, sem nos apercebermos bem, tínhamos criado o nosso primeiro anygivenstory em conjunto – se depois desta explicação toda quiserem vê-lo ou revê-lo, ei-lo aqui. Foi o empurrão que precisávamos para pôr este blog a mexer!

 

gustavo-3

 

#3. Nunca filmamos os vídeos num único dia. Claro que não estamos a falar dos vídeos de lugares – esses claramente representam vários dias diferentes de filmagens. Estamos a referir-nos a vídeos sobre pessoas ou ideias. Tínhamos a ambição de conseguir gravar tudo (som e imagem) num só dia, porque nos simplificaria bastante o processo. Mas, na verdade, nunca conseguimos fazê-lo. Acabamos sempre por demorar um dia e meio a dois dias a filmar cada vídeo. No primeiro dia, gravamos sempre a conversa e algumas ações. No segundo dia, filmamos outros contextos para complementar. Isso acontece por dois motivos: queremos poder fazer a gravação de som com calma e tempo suficiente para que a conversa possa fluir naturalmente (não queremos um mero momento de pergunta-resposta) e gostamos de ter a maior variedade de imagens possível, com ações e contextos diversificados que representem aquela pessoa ou ideia. Como se costuma dizer, “depressa e bem, não há quem”…

#4. Já fizemos algumas viagens propositadamente para filmar vídeos. O anygivenstory conta já com uma viagem ao distrito de Leiria e duas viagens à cidade de Évora. Fomos ambiciosos (diria mesmo, um bocadinho atrevidos) mas valeram cada quilómetro! Conseguem descobrir quais os vídeos que nos levaram a esses sítios? Damos uma pista que não deixa de ser uma curiosidade também: nenhuma destas foi para filmarmos lugares, mas sim pessoas ou ideias. Isto porque os lugares que partilhámos no blog foram, até agora, escolhidos por força das circunstâncias. Na verdade, estávamos de férias naquele local ou região e o vídeo só surgiu depois – foi o caso de Bali, onde passámos a nossa lua de mel, e da Alentejo e Costa Vicentina, por onde viajámos este verão.

#5. Alguns vídeos contam com a participação especial de elementos da equipa do anygivenstory. E se pensarem que a equipa é formada por duas pessoas, sendo uma deles um filmmaker, não é difícil perceber quem é que gosta de fazer aparições inadvertidamente nos vídeos… Lançamos o desafio: quem consegue descobrir quais os vídeos nos quais eu sou uma não-convidada especial?

 

Making_of-4

 

#6. Somos visitados um pouco por todo o mundo. Um dos objetivos de escrever em inglês era permitir que pessoas de outros países nos pudessem ler. E isso está a acontecer! Neste momento, somos visitados principalmente por malta da Europa (com representação de praticamente todos os países). Mas também temos leitores do continente americano, especialmente dos Estados Unidos da América e do Canadá, e alguns que nos lêem da Ásia (grande abraço para o pessoal da Indonésia!). Da África e Oceânia também vão espreitando de vez em quando, mas ainda com pouca expressão. Como dizem os Imagine Dragons (e, sim, estamos a citar os Imagine Dragons), estamos “on top of the world”!

Guardámos o melhor para o fim. Aproveitamos que o anygivenstory está hoje em festa para agradecer a quem torna isto possível: vocês. Um grande obrigado a todos os que o visitam, o seguem nas redes sociais, partilham, comentam e querem conhecer mais histórias!

 

2 Responses

  1. MM

    Essa parte de chegarem a tantos países é impressionante. So mostra que estão a caminhar na direcção certa.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.